VASOS PARA AMÔNIA

A amônia (Amoníaco) é um gás à temperatura e pressão ambiente, com simbologia química NH3. Liquefaz-se sob pressão atmosférica a -33,35ºC e é altamente higroscópica, ou seja, absorve água facilmente. Esta absorção resulta em hidróxido de amônia (NH4OH) e este composto possui as mesmas propriedades químicas da soda cáustica.

 

É estável quando armazenada e utilizada em condições normais de estocagem e manuseio. Quando a amônia atinge uma temperatura superior a 450ºC, ela pode liberar nitrogênio e hidrogênio. É facilmente detectada a partir de pequeníssimas concentrações (5 ppm) no ar pelo seu cheiro característico.

Processos que utilizam amônia consistem em uma série de vasos e tubulações que comprimem e bombeiam o refrigerante com o intuito de refrigerar ambientes ou processos. Sua complexidade varia em função do tamanho dos ambientes e em função das temperaturas a serem atingidas. Estes sistemas são de circuito fechado, ou seja, todo o fluido circula dentro das tubulações sem a necessidade de acréscimos de amônia. 

 

A quantidade de amônia dentro dos sistemas refrigerantes pode variar de 2000 kg a mais de 100 ton. e as pressões variam de 10 a 16 kg/cm². Veja abaixo uma tabela com as informações técnicas da amônia:

Os locais mais comuns que utilizam a amônia são:

  • Sistema de amônia para fabricação da ureia;

  • Sistema de amônia em barcos pesqueiros para refrigeração de peixe;

  • Vasos de pressão para fabricação da indústria têxtil;

  • Vasos de pressão para fabricação de borracha;

  • Vasos de pressão para indústria farmacêutica;

  • Vasos de pressão para indústria cerâmica;

  • Vasos para indústria de petróleo.

 

O armazenamento da amônia em vasos de pressão deve respeitar certos cuidados, pois alguns materiais apresentam incompatibilidade química, como por exemplo: halogênios, boro, 1.2 dicloroetano, óxido de etileno, platina, triclorato de nitrogênio e metais pesados. Esta incompatibilidade pode causar explosões e reações violentas.  Outras preocupações e considerações que o engenheiro projetista deve ter no momento do projeto de um reservatório de amônia são:

  • Definição incorreta da temperatura de trabalho;

  • Incoerência nas margens de corrosão interna e externa;

  • Falta de consideração nos cálculos devido a vibração dos equipamentos;

  • Projeto incorreto da abertura e vazão de válvula de segurança;

  • Sincronia entre compressores, condensadores, tubulações e reservatórios;

  • Abastecimento inadequado do vaso;

  • Aprisionamento de líquido nas tubulações, sifões e locais onde possam acumular sujeira;

Estas são informações básicas referentes ao armazenamento de amônia. Para evitar acidentes e obter performance desejada do sistema, são necessários seguir vários outros critérios de engenharia e segurança. Conte com a equipe especializada da Metal Cruzado para desenvolvimento de vasos de pressão e tubulações para amônia.